silfriedman@gmail.com

Você sabia que rir da gagueira pode ser assedio moral?

Assedio moral é uma forma de comunicação que humilha uma pessoa e a transforma em vitima.


Isso pode ocorrer por meio de gestos e palavras aparentemente inofensivos que, por provocarem humilhação, desestabilizam e desequilibram a pessoa.


Também rir e imitar a gagueira ou comentários comumente usados para ajudar, tais como: “calma, respira, fala devagar”; comentários aparentemente engraçados como: “engata uma segunda”, “como vai meu gago preferido”, “porque você fala desse jeito engraçado?” humilham, desestabilizam e desequilibram, enquadrando-se na categoria de assedio moral.


O assedio se concretiza também porque, geralmente, as pessoas ao redor que apenas presenciam essas cenas, parecem não perceber que aquele que gaguejou está sendo machucado e até acham graça nos comentários. Esses comentários fazem com que o falante que gaguejou se sinta impotente em sua condição de falante, por achar que os outros tem o direito de fazer isso na posição de falantes que não gaguejam.


O falante que gagueja, diante desses comentários, geralmente se mostra tolerante. Essa tolerância, porém, o agride, incomoda e fere.


Vitimado pelo assedio moral, o falante passa a não conseguir ter reações e/ou respostas de fala satisfatórias e adequadas. Mas isso pode variar de acordo com as pessoas e as situações.
Tudo isso gera um sofrimento que tem efeitos importantes na relação que a pessoa assediada desenvolve com sua fala. Esses efeitos ajudam a manter o quadro da gagueira.

Para tratar de gagueira é preciso procurar um fonoaudiólogo com prática comprovada na abordagem terapêutica dos problemas de fluência de fala.

  • arte gráfica Rendel Fahl Pinheiro
  • ano 2009
  • realização
  • apoio